Newsletter

Empreendedorismo

Centro Aberto ajuda órfãos a desenvolver competências laborais

22.07.2018

Foto: DW / B. Jequete

Em Manica, centro de Moçambique, crianças e jovens órfãos podem aprender várias competências laborais num centro aberto para jovens e idosos. É uma forma de tirar os jovens das ruas e de lhes dar perspectivas de emprego.

 

Aprender para o Futuro

Pita Tobias tem 17 anos. É órfão de pai e mãe e aprende carpintaria num centro para jovens. “Estou a aprender carpintaria desde o início de 2015. Faço biscates, a concerto portas, janelas, cadeiras, fechaduras de portas, com os quais tenho ganhado dinheiro, para ajudar a minha avó em casa”, disse Tobias. O seu sonho é concluir, pelo menos, o nível médio de ensino e procurar emprego digno.

 

Novas Oportunidades para Jovens

Foto: DW / J. Bequete

Em Manica, o Governo moçambicano, através do Instituto Nacional de Ação Social (INAS), construiu um Centro Aberto para o Atendimento de Crianças Órfãs e Pessoas Idosas. O centro oferece cursos profissionalizantes para promover o auto-emprego e, consequentemente, tirar os mais jovens da rua e reduzir a mendicidade e criminalidade. Carpintaria, costura e agricultura são algumas das áreas ensinadas.

 

Futuros Empreendedores

Foto: DW / J. Bequete

Este alpendre construído de pau a pique e coberto de plástico e capim é a “carpintaria”. A carpintaria é um dos ofícios mais ensinados no centro. Alguns dos formandos mais crescidos dizem já ter conhecimentos suficientes para abrir o seu negócio, mas, como ainda não conseguem ter o próprio material, continuam a frequentar o centro.

 

Deixar a Pobreza para Trás

Foto: DW / J. Bequete

João Lucas, adolescente de 15 anos, decidiu abraçar o curso de costura. Já sabe coser uniformes, fatos de capulana, túnicas, entre outros modelos de roupa. “Esta peça que tenho nas mãos, fui eu que confeccionei. Quero agradecer aos gestores e organizadores deste projecto porque nós, mesmo que não tenhamos emprego, sabemos fazer algo que nos dará dinheiro. A pobreza ficou para trás.”

 

Trabalhar na Indústria para Depois Abrir o Próprio Negócio

Foto: DW / J. Bequete

Abel Francisco, de 18 anos e órfão de pai e mãe, agradece ao Governo a oportunidade. Está perto de obter um certificado que lhe permitirá encontrar emprego mais facilmente. “Para alguns colegas foi difícil enquadrarem-se numa carpintaria industrial, por falta de certificado. Com o papel nas mãos, é fácil encontrar emprego. Gostava de trabalhar para conseguir o meu material e ter o meu negócio.”

 

Aprendizagem Passo-a-Passo

Foto: DW / J. Bequete

Isabel Caetano, adolescente de 14 anos, já aprende a costurar há 14 meses e conta que já sabe, pelo menos, fazer botinhas e chapéus para recém-nascidos. “Outro tipo de peça de roupa, poderei aprender com o tempo. Por agora tenho de saber costurar roupa para recém-nascidos com perfeição.”

 

Boa Estratégia Governamental

Foto: DW / J. Bequete

Saene Francisco Sabonete, de 48 anos, é formado na área da carpintaria e tem mais de duas décadas de experiência. É o instrutor dos órfãos no centro. “O Governo pensou numa boa estratégia, ao dar ferramentas básicas para o auto-emprego, visando acabar com mendigos e vulnerabilidade. O que nos inquieta é a falta de material. O que existe é insignificante para o número de crianças.”

 

Criar Emprego

Foto: DW / J. Bequete

Com o valor que consegue na venda de produtos feitos por ele e biscates, Alberto Francisco investe na compra de material de carpintaria. Segundo o próprio, “chegou o tempo do desmame e de dar oportunidades a outros” que também podem beneficiar da formação. “A minha ideia é abrir a minha carpintaria e contratar alguns aqui do centro. Será uma valia para mim e para eles.”

 

É Necessário Mais Material

Foto: DW / J. Bequete

De visita ao centro, Maria Glória Siaca, diretora-geral do Instituto Nacional de Ação Social (INAS), foi recebida com inúmeros pedidos de material para aumentar o número de cursos profissionalizantes. “Estamos a fazer contactos com parceiros visando a compra de mais materiais”, respondeu a dirigente.

 

Exploração Infantil Ainda Existe

Foto: DW / J. Bequete

Enquanto algumas crianças aprendem vários ofícios, outras realizam trabalhos que não são adequados à sua idade. Há crianças em Manica que ainda são usadas em trabalhos forçosos, o que viola os seus direitos. Por desconhecimento ou receio, as crianças não agem em sua defesa. O trabalho infantil é punível por lei.

 

Falta de Formação Pode Levar ao Mundo do Crime

Foto: DW / J. Bequete

Infelizmente, a formação promovida pelo centro não chega a todos. Há crianças de rua em Manica que, para além de mendigar, por vezes seguem o caminho do crime. Algumas praticam pequenos furtos, outras são enganadas por bandidos perigosos e levadas a assaltar residências. O Governo prometeu acabar com este cenário, mas é um processo lento.

 

Crianças de Rua

Foto: DW / J. Bequete

Os rapazes desta imagem dizem não sair da rua. Alguns têm famílias mas preferem viver naquelas condições. Dormem em passeios, cobertos com caixas, sacos e cobertores apanhados em lixeiras. Dizem ter fugido de casa porque a comida não chegava para todos ou por vingança aos pais. De dia, fazem biscates, como lavar viaturas, para ganhar dinheiro para se alimentarem.

 

Fonte: DW África

 

BCI, Patrocinador do Anuário Social 2017-2018
[DOWNLOAD ANUÁRIO SOCIAL]