Newsletter

Meio Ambiente

Reserva Nacional do Niassa completa 1 ano sem elefantes abatidos por caçadores ilegais

03.06.2019

Imagem ilustrativa / Foto: Hu Chen via Unsplash

Os relatórios da Administração Nacional de Conservação (ANAC), indicam que entre 2011 e 2014, a Reserva Nacional do Niassa (RNN) perdeu 60% da sua população de elefantes. Neste mesmo período, a perda a nível nacional foi de 48% e que colocou Moçambique em uma situação de risco, podendo ter sido banido do comércio internacional de produtos de origem animal, devido à falta de transparência na gestão da vida selvagem.

Como resposta, uma Unidade de Intervenção Rápida (UIR) da polícia, foi destacada para a RNN, para apoiar na luta contra à caça de animais selvagens, a pedido do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural (MITADER), ao Presidente da República. Depois de visitar a Reserva em Novembro de 2018, o Presidente Nyusi apoiou a presença da UIR por mais um ano, onde os mesmos vão desempenhar um papel de treinamento dos guardas florestais da RNN, para continuar com a protecção dos elefantes.

Recentemente, a ANAC anunciou que a RNN, a maior área protegida do país, está comemorando o marco de 1 ano sem um único elefante morto nas mãos dos caçadores ilegais. Para comemorar, serão feitas celebrações, onde a organização irá receber alunos do ensino básico para passeios e palestras sobre a vida selvagem.

As últimas mortes (3) causadas por caçadores ilegais na Reserva, aconteceram em Maio de 2018. Desde então, nenhum elefante foi abatido.